Doença Celíaca, Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca e Alergia ao Trigo

Doença Celíaca, Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca e Alergia ao Trigo

Doença Celíaca, Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca e Alergia ao Trigo


A doença celíaca, a sensibilidade ao glúten não celíaca e a alergia ao trigo são condições médicas e tipos de hipersensibilidade alimentar que podem ser tratadas com a dieta adequada, ou seja, dieta livre de glúten ou trigo.


O glúten é uma proteína criada em laboratório com objetivo de possibilitar as massas a elasticidade, auxiliar o fermento no crescimento ou na durabilidade dos alimentos em geral demais produtos (higiene, beleza e limpeza). Pode ser encontrado na aveia, cevada, malte, trigo, centeio e cereais.


 



 


Sintomas


A doença celíaca e a sensibilidade ao glúten não celíaca apresentam muitos sintomas em comum, porém a alergia ao trigo geralmente tem sintomas diferentes.Os sintomas  mais comum da doença celíaca e da sensibilidade ao glúten não celíaca são: gastrointestinais, cólicas, diarreia, constipação, dor nasal, articular, dores de cabeça, fadiga, entre outros. Já os sintomas de uma alergia ao trigo podem incluir prurido, urticária ou anafilaxia, uma reação potencialmente fatal.


 



Tratamento


A doença celíaca e a sensibilidade ao glúten não celíaca têem como tratamento uma dieta totalmente livre de glúten, incluindo produtos de limpeza, higiene e beleza. Para a alergia ao trigo o tratamento é uma dieta sem trigo, incluindo também demais produtos.


As pessoas com doença celíaca, sensibilidade ao glúten não celíaca ou alergia ao trigo não precisam de tratamentos médicos complicados para se melhorar, mas devem evitar alimentos, bebidas, produtos de limpeza, higiene e beleza que contém glúten ou trigo.


 



O que é doença celíaca, sensibilidade ao glúten e alergia ao trigo


A doença celíaca é uma doença genética e autoimune que ocorre em reação à ingestão de glúten. Para desenvolver a doença celíaca, uma pessoa deve herdar a predisposição genética, consumir glúten e ativar a doença. Os gatilhos de ativação podem incluir estresse, trauma (cirurgias, etc.) e possivelmente infecções virais. A reação ao glúten provoca atrofia vilosa ou achatamento das células que alinham o intestino delgado, o que pode levar à má absorção de nutrientes e problemas de saúde relacionados. Existem mais de 300 sintomas identificados de doença celíaca, que inclui anemia, mudanças comportamentais, crescimento atrofiado e infertilidade, desnutrição, diabetes, mal de parkinson, alzheimer, doença do crohn, câncer de intestino.


Também há o problema de dermatite herpetiforme que é uma doença celíaca que se manifesta na pele como uma erupção cutânea. A taxa de doença celíaca é maior entre os parentes daqueles que são diagnosticados, mas qualquer pessoa com predisposição genética pode desenvolver doença celíaca em qualquer idade. Atualmente, estima-se que cerca de 1% (no Brasil média de 2 milhões de pessoas, porém muitos desses não sabem) da população tenha doença celíaca, embora 83% dessas pessoas ainda não tenham sido diagnosticadas. Enquanto a pesquisa continua a trabalhar em direção a outros tratamentos farmacêuticos, neste momento, o único tratamento para a doença celíaca é manter uma dieta sem glúten para a vida.


A sensibilidade ao glúten não celíaca ainda não está bem definida. Não é uma imunoglobulina E (IgE) (como com alergia ao trigo) nem reação autoimune (como com doença celíaca). Sensibilidade ao glúten não celíaca pode ter um componente imune inato, mas isso não foi firmemente estabelecido. Não há testes ou biomarcadores para identificar. Como não é bem entendido, ainda não está claro se outros componentes de grãos contendo glúten podem estar envolvidos em causar sintomas, pelo menos em alguns casos. Para que a sensibilidade ao glúten seja diagnosticada, primeiro é necessário descartar doença celíaca, alergia ao trigo ou outras possíveis causas de sintomas. Então, se a melhoria for observada ao seguir uma dieta sem glúten, a sensibilidade ao glúten pode ser diagnosticada. Neste momento a adesão a uma dieta sem glúten é o único tratamento.


A alergia ao trigo é uma reação imune a qualquer uma das centenas de proteínas no trigo. Quando uma pessoa tem uma alergia ao trigo, um tipo de glóbulos brancos, chamados de células B, envia anticorpos de imunoglobulina E (IgE) para “atacar” o trigo. Ao mesmo tempo, os tecidos locais no corpo enviam mensageiros químicos naturais para alertar o resto do corpo de que existe um problema. Esta reação ocorre muito rápido e em poucos minutos a algumas horas, e pode envolver uma variedade de sintomas de náuseas, dor abdominal, coceira, inchaço dos lábios e da língua, dificuldade em respirar ou anafilaxia (reação potencialmente fatal). Uma pessoa com alergia ao trigo deve evitar comer qualquer forma de trigo, mas não tem problemas para tolerar o glúten de fontes que não sejam de trigo. É possível que uma pessoa seja alérgica ao trigo e tenha doença celíaca ou sensibilidade ao glúten não celíaco.


Eu tenho doença celíaca, sensibilidade ao glúten não celíaco ou alergia ao trigo?


 



 


O diagnóstico é fundamental para conhecer a resposta a esta questão e ser capaz de seguir a dieta adequada para você. Esta é também a razão mais importante para não iniciar uma dieta sem glúten antes de ser testada e obter um diagnóstico.O diagnóstico de doença celíaca envolve o exame de sangue seguido no caso de resultados positivos, pela biópsia do intestino delgado.


Um paciente deve estar consumindo uma dieta contendo glúten para um diagnóstico preciso, que geralmente é feito por um gastroenterologista.A sensibilidade ao glúten não celíaca é um diagnóstico de “descarte”, que consiste em testar e descartar a doença celíaca, a alergia ao trigo e outros distúrbios que podem estar associados aos seus sintomas.


Após o teste acima, se a remoção de glúten da dieta melhora os sintomas, isso pode ser diagnóstico para sensibilidade ao glúten não celíaca. O diagnóstico pode ser feito por um gastroenterologista ou médico de cuidados primários.O diagnóstico de alergias alimentares de IgE, como uma alergia ao trigo, geralmente é feito através do teste RAST ou cutâneo e um teste de placebo duplo-cego usando o alérgeno. Isso geralmente é completado por um alergista. Ter acompanhamento médico e nutricionista registrado irá ajudá-lo a obter um diagnóstico preciso, criar uma dieta que suporte sua saúde e bem-estar, e viver tranquilamente sem ter que lidar com os sintomas ou uma possível doença mais complicada que a doença celíaca.  Observe seu corpo e qualquer alteração procure um médico.


Envie seu comentário

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE